Séries com lições empreendedoras

1. Breaking Bad

Quem recomenda: Guilherme Junqueira, CEO e fundador da Gama Academy, escola que capacita estudantes e profissionais para o mercado digital.

O seriado conta a história de um professor de química que descobre ter um câncer em estado terminal e resolve "empreender" para sustentar a família. Com cinco temporadas disponíveis na Netflix, o professor, interpretado pelo ator Bryan Cranston usa seus conhecimentos para manipular e vender drogas ilegais, apesar de ser um tema polêmico e que não deve ser sugerido como exemplo de atuação, a história aborda alguns desafios frequentes para empreendedores: como criar um produto desejável, resolução de conflitos societários, canais de distribuição, gestão de qualidade e, como enfrentar todas as diversidades do empreendorismo real e não ilegal como é tratado na série.

2. Billions

Quem recomenda: Carlos Terceiro, CEO e fundador da Mobills, startup de gestão de finanças pessoais

Disponível na Netflix, Billions é uma excelente série para quem quer aprender mais sobre o mercado financeiro. Com cinco temporadas disponíveis no stream, a história mostra o conflito entre um bilionário dono de uma empresa de investimentos, Boby Axelrod, e um promotor de Nova York, Chuck Rhoades. A série retrata a jornada de investidores iniciantes, alguns conflitos éticos e exemplos de liderança. De um modo geral, a trama fala sobre o mundo dos negócios, poder e política, sendo um ótimo entretenimento para quem deseja aprender algo novo.

3. GirlBoss

Quem recomenda: Thiago Santos, CEO e fundador da e-thinkers, empresa de gestão de e-commerce de marcas premium.

Nessa comédia inspirada em uma biografia best-seller, a jovem Sophia decide começar um negócio online e precisa aprender como ter sucesso nas vendas digitais. Thiago comenta que muitas das cenas retratadas com humor refletem situações da realidade que ele já passou na sua trajetória com e-commerce. A série também está disponível na Netflix.

4. Desserviço ao Consumidor

Quem recomenda: Marcella Zambardino, Co-CEO da Positiv.a, empresa que cria produtos e soluções para cuidar da casa, do corpo.

O seriado cita a indústria do consumo e detalha em quatro episódios o quanto o ser humano pode ser irresponsável ao comprar um produto para a sua casa, principalmente móveis. Além disso, a série também aborda a questão do consumo consciente e produtos falsificados. "Como dona de uma empresa que frisa muito pelo consumo rastreado de diversas matérias-primas, essa série me ajudou a entender o impacto de algumas das principais indústrias do mundo nas nossas vidas, de uma forma que nem imaginamos", diz Marcella.

5. The Last Dance

Quem recomenda: Luiz Henrique Garcia, CEO e fundador da QuiteJá, plataforma de renegociação de dívidas.

A história gira em torno da carreira de Michael Jordan, com foco principal na última temporada em que o basquetebolista tenta levar a equipe a conquistar o sexto título na NBA. "A série mostra um pouco sobre um profissional extremamente empenhado em melhorar seu desempenho, disciplina na busca de resultados e também de fazer gestão dos seus companheiros para que se desafiem também. Buscar deles o melhor resultado com compromisso. Uma forma espetacular de fazer gestão de pessoas, provocando elas de seus próprios resultados", afirma Luiz.

6. Suits

Quem recomenda: Rafael Carvalho, COO da HeroSpark, solução para empreendedores.

Disponível na Netflix, Suits retrata o dia a dia de um famoso escritório de advocacia em New York. A série gira em torno de casos jurídicos e conta com um toque de humor sarcástico. Além de entretenimento garantido, Suits vai te ensinar poderosas lições, como táticas de oratória, análise e documentação de situações, autocontrole e métodos para se impor como autoridade.

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A incerteza é como o clima. Está sempre lá, faz parte da atmosfera e é uma condição sobre a qual indivíduos e organizações têm muito pouco controle. A gravidade da incerteza, como a gravidade do clima

O que quer que você vá fazer, faça bem feito. Parece óbvio. Mas decidir com precisão o que fazer – ou se deve continuar fazendo – muitas vezes é difícil para os líderes que procuram distinguir suas em

Se 2020 foi sobre crises – a pandemia e a indignação após o assassinato de George Floyd, para citar dois – e a resiliência e a capacidade das empresas de navegar pela disrupção, 2021 parece que foi o