OS SEIS TIPOS DE EMPREENDEDORES MAIS COMUNS NO BRASIL

Um estudo feito pela Endeavor em consonância com o Grupo Troiano, demonstra os aspectos comuns e essenciais de quem têm comportamento empreendedor no Brasil

Desejo de protagonismo, otimismo, autoconfiança, coragem para aceitar riscos e resiliência. Esses são os aspectos comuns e essenciais de quem têm comportamento empreendedor. É o que mostra o estudo “Os Perfis dos Empreendedores Brasileiros”, feito pela Endeavor em parceria com o Grupo Troiano.

A pesquisa revela que 73% dos entrevistados priorizam a qualidade de vida em detrimento à superação constante. Para os pesquisadores, não querer ser sempre melhor é um dos problemas dos empreendedores brasileiros.

A vontade de empreender é alta e 61% dos entrevistados declaram ter planos para abrir o próprio negócio nos próximos cinco anos. Entretanto, apenas 33% fizeram algum curso de empreendedorismo para se capacitar.

Ao analisar os aspectos comportamentais e motivacionais do entrevistado que empreende ou que deseja empreender, o estudo reuniu as características dos perfis dos empreendedores brasileiros. Eles foram classificados em “Natos”, “Situacionistas”, “Meu Jeito”, “Idealista”, “Herdeiro” e “Busca do Milhão”. Veja os detalhes de cada perfil:

1. Natos A motivação principal desse tipo de empreendedor é realizar seu sonho. Este tipo tem a tendência de ser empreendedor mesmo quando trabalha para outras pessoas. É o que mais aposta na atividade empreendedora para desenvolver o país e tem grande interesse em abrir um negócio nos próximos cinco anos.

2. Meu Jeito Esse tipo de empreendedor quer fazer tudo do seu jeito e ser reconhecido por isso. Tem dificuldade de trabalhar em algo que não acredite e é fiel a suas crenças, ambições e valores. Em geral, tem pouca capacitação para empreender e concentra maior número de autônomos profissionais liberais.

3. Situacionista De alguma maneira, os empreendedores desse perfil foram levados a empreender por questões como uma oportunidade que apareceu ou grande insatisfação com o mercado atual. Em geral, são menos otimistas e tem mais aversão ao risco.

4. Herdeiro O empreendedor com esse perfil cresceu muito próximo a um modelo empreendedor e foi incentivado a seguir esse caminho. Alguns, literalmente herdam o negócio dos familiares. Experiências anteriores, tanto positivas quanto negativas, são a motivação principal.

5. Idealista A motivação principal desse tipo de empreendedor é contribuir, fazer a sua parte. Ele busca contribuir para uma transformação social, ajudando a melhorar a vida de um grupo de pessoas, sem abrir mão de seus valores.

6. Busca do Milhão O maior foco desse empreendedor é o lucro e o empreendedorismo é a sua maneira para alcançar fortuna. É ambicioso e ganancioso.

A população brasileira se divide em situacionistas (31%), busca do milhão (25%), meu jeito (14%), idealista (12%), nato (12%) e herdeiro (7%).

Pamella Gonçalves, diretora de pesquisa e mobilização da Endeavor, afirma que conhecer o próprio perfil ajuda a escolher o melhor negócio em que investir. “Para os atuais e futuros empreendedores, conhecer o próprio perfil ajuda a compreender suas principais alavancas de motivação. Assim, é possível escolher melhor o negócio em que investir seu tempo e até a melhor estratégia a seguir em sua empresa”, explica, em comunicado.

O estudo teve como base mais de 4 mil entrevistas e foi realizado por meio de etapas qualitativas e quantitativas. Na etapa qualitativa, foram realizadas 33 entrevistas com empreendedores e duas entrevistas com especialistas durante abril e maio deste ano. No caso da quantitativa, foram feitas 3917 entrevistas online em 14 capitais do país como Belém, Curitiba, Goiânia, Recife, São Paulo, dentre outras.

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A incerteza é como o clima. Está sempre lá, faz parte da atmosfera e é uma condição sobre a qual indivíduos e organizações têm muito pouco controle. A gravidade da incerteza, como a gravidade do clima

O que quer que você vá fazer, faça bem feito. Parece óbvio. Mas decidir com precisão o que fazer – ou se deve continuar fazendo – muitas vezes é difícil para os líderes que procuram distinguir suas em

Se 2020 foi sobre crises – a pandemia e a indignação após o assassinato de George Floyd, para citar dois – e a resiliência e a capacidade das empresas de navegar pela disrupção, 2021 parece que foi o